Edição 112 - Volume v. 37 | n. 3 - set.-dez. 2018
Edition 112 - Volume v. 37 | n. 3 - Sept.-Dec. 2018

Comprar R$44,00

Dossiê / Dossiê
DOSSIÊ 30 ANOS DA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRO | Apresentação: A Constituição cidadã aos trinta anos
30 YEARS OF THE BRAZILIAN CONSTITUTION DOSSIER | Introduction: The Citizen Constitution at Age 30 http://dx.doi.org/10.25091/S01013300201800030009
Maria Herminia Tavares de Almeida
Baixar
Dossiê / Dossiê
Do compromisso maximizador à resiliência constitucional
From the Maximizing Commitment to the Constitutional Resilience http://dx.doi.org/10.25091/S01013300201800030003
Oscar Vilhena Vieira e Ana Laura Pereira Barbosa
Baixar
Dossiê / Dossiê
Trinta anos da Constituição de 1988: razões para comemorar?
Thirty Years with the 1988 Constitution: Do We Have Reasons to Celebrate? http://dx.doi.org/10.25091/S01013300201800030001
Marta Arretche
Baixar
Dossiê / Dossiê
Economic Effects of the Brazilian Constitution
Efeitos econômicos da Constituição brasileira http://dx.doi.org/10.25091/S01013300201800030004
Otaviano Canuto e Tiago Ribeiro dos Santos
Baixar
Dossiê / Dossiê
Índios na Constituição
Indigenous Peoples in the Constitution http://dx.doi.org/10.25091/S01013300201800030002
Manuela Carneiro da Cunha
Baixar
Artigos / Articles
Como Walter Benjamin escrevia
How Walter Benjamin Wrote http://dx.doi.org/10.25091/S01013300201800030006
Marc Berdet
Baixar
Artigos / Articles
A Rebelião Pluralista de 1979 na Associação Americana de Filosofia: Insatisfação disciplinar e mudança intelectual
The Pluralist Rebellion of 1979 at the American Philosophical Association: Disciplinary Discontent and Intellectual Change http://dx.doi.org/10.25091/S01013300201800030008
Joaquim Toledo Jr.
Baixar
Artigos / Articles
Alinhavando questões
Tacking Questions http://dx.doi.org/10.25091/S01013300201800030005
José Arthur Giannotti
Baixar
Artigos / Articles
Risky Books, Rejected Authors: Alfred Knopf and the Screening of Brazilian Literature
Livros arriscados, autores rejeitados: Alfred Knopf e a triagem da literatura brasileira http://dx.doi.org/10.25091/S01013300201800030007
Carlos Cortez Minchillo
Baixar

Sobre o Artista

Alice Miceli

Rio de Janeiro, RJ, 1980

Vive e trabalha no Rio de Janeiro e em Nova York

 

Formou-se em cinema pela École Supérieure d’Etudes Cinématographiques, em Paris, em 2002. E, em 2005, completou pós-graduação em história da arte e arquitetura na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, que cursou em paralelo a estudos com Charles Watson na Escola de Artes Visuais do Parque Lage.

Alice trabalha principalmente com vídeo e tecnologias fotográficas experimentais, explorando manifestações virtuais, físicas e culturais de acontecimentos sociopolíticos extremos, ao mesmo tempo que investiga a história e o uso contínuo dessas mídias. Desenvolveu projetos sobre o arquivo de prisioneiros da Prisão S21, no Camboja, e sobre a Zona de Exclusão de Chernobyl. Atualmente, finaliza um novo projeto fotográfico sobre o espaço de campos minados em diferentes regiões do mundo ainda intensamente afetadas por esse problema – como áreas do Camboja, da Colômbia, da Bósnia e de Angola – a ser exposto em maio de 2019 no Espaço Jacarandá/Instituto Pipa, na Villa Aymoré (Rio de Janeiro).

Alice participou de exposições como The Materiality of the Invisible, Marres, House for Contemporary Culture (2017); Basta!, John Jay College (2016); Intersections: After Lautrémont, Cisneros-Fontanals Art Foundation, Miami (2015); XXIX Bienal de São Paulo (2010); e teve trabalhos apresentados em festivais como o Japan Media Arts Festival, Tóquio (2014); TRANSITIO_MX Festival, Cidade do México, (2009); transmediale, Haus der Kulturen der Welt, Berlim (2005, 2007, 2008), entre outros. Recebeu bolsas de residência da MacDowell Colony, em Peterborough (2013); da Bogliasco Foundation, em Genova (2014); da Maison Dora Maar, em Menerbes (2014); da Jan Van Eyck Academie, em Maastricht (2016); do Mejan Program, da KKH Royal Academy of Arts, em Estocolmo (2016); do NTU CCA Centre for Contemporary Art, em Cingapura (2017), e da Yaddo Artist Colony, em Saratoga Springs (2018), entre outras. Alice foi ganhadora do Prêmio PIPA do júri e do público em 2014, e contemplada em 2015 pelo Programa de Bolsas e Comissões da Cisneros-Fontanals Art Foundation, de Miami. Para 2019, além da individual na Villa Aymoré, no Rio de Janeiro, Alice prepara também uma individual na Americas Society, em Nova York.

 

SOBRE O ENSAIO VISUAL PARA A EDIÇÃO 112 DA NOVOS ESTUDOS

O projeto Em profundidade (campos minados) é uma investigação visual acerca de espaços que permanecem ocupados por minas terrestres e outros explosivos remanescentes de guerras (ERW), em áreas do Camboja, da Bósnia, da Colômbia e de Angola.

Minas terrestres e ERW são resíduos de guerra, armas localizadas para matar e mutilar, continuando ativas mesmo décadas após o término de um conflito. São remanescentes de uma lógica cruel, indiferente à experiência vivida de um lugar, utilizadas como ferramentas de conquista territorial. Há uma estimativa de 100 milhões de minas espalhadas por setenta países e de que a cada duas horas alguém seja morto ou ferido em decorrência disso. Em algumas regiões do Camboja ou de Angola, por exemplo, o número de minas supera o de pessoas, silenciosamente transformando paisagens inteiras em espaços eternamente impenetráveis.

Em busca dessas lacunas criadas pela ação do homem, decidi estar presente, olhar e representar essas paisagens problemáticas na medida em que o que nelas é impenetrável se estabelece na própria profundidade do campo a ser atravessado e capturado na imagem. Como se, contra esses remanescentes de uma ordem bélica e desumana destinada a ocupar território, pudesse ainda haver algum tipo de contra-alinhamento possível; uma maneira de olhar, habitar e reivindicar esses intervalos de terra há muito perdidos e negativamente ocupados.

Para a Novos Estudos, pensei em uma seleção de imagens que complementam essa ação, documentando o entorno, a minuciosa tarefa de mapeamento e desminagem nos campos minados das províncias de Malanje e Uíge, em colaboração com a ONG de desarmamento humanitário NPA – Norwegian People’s Aid, em Angola.

link para a revista completa